sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Eu quero falar de muitas coisas, mas não quero que esse se torne um post enorme, chato e confuso.


Pra começar estou lendo um livro: O Caçador de Pipas. É emocionante. É frustrante, chega a ser perturbador pra quem mergulha num livro e se sente parte dele, como eu. Enfim estou gostando. Agora vou chegar na parte em que o post inevitavelmente vai ficar confuso.


Oi, eu me chamo Victória Rodrigues Faustino e queria saber quem sou e do que sou capaz. Quando eu era pequena eu era parcialmente inocente e parcialmente maldosa. Quando eu cresci, fui reprimida e acabei tendo de aprender com a vida o que é certo e o que é errado. Eu aprendi a fazer escolhas pensando e pesando o bem alheio. Hoje eu tenho 16 anos e... Continuo sendo eu. Eu sou eu de uma maneira que chega a irritar, eu não gosto de parecer os outros, eu admito que sou um pouco antissocial, eu admito que sou egoísta, que sou autoritária, mandona, incompreensiva, estressada, mal-humorada, não sou humilde o suficiente e as vezes sou preconceituosa. Mas não sou isso o tempo todo é claro, ninguém é tão ruim assim.
As vezes eu me sinto Amir, mas nunca Hassan. Eu me sinto suja, de sangue dos outros, eu me sinto ferida pelas pessoas que amo, eu me sinto inútil para qualquer ser humano e mais do que útil pra mim mesma. Meu coração tá no escuro, sendo arrastado pra um destino inevitável que vai contra os meus planos felizes. Os planos que fiz envolvendo outras pessoas, as expectativas que criei em cima dos outros. Agora não precisa prestar a atenção nem entender, o que eu vou escrever não é nada poético:


- Por que você insiste em obedecer tudo o que lhe mandam? Por que acredita em tudo o que dizem? Afinal o que tem de errado com você?


- Eu não obedeço ninguém, eu faço o que quero. Acredito porque acho que é verdade, o que tem de errado comigo é que eu sei o que é prioridade na minha vida, eu tenho amigos, eu não sou maluco como você!


2


- Eu não compreendo a tua covardia. Eu não sei do que você tem medo, eu não conheço teus monstros, e quando eu acho que realmente estou reconhecendo você vem e me aponta aquele como seu herói. O herói que nunca veio te salvar, a sua princesa o seu herói raptou, você é um cavalheiro covarde que nas andanças encontrou uma fada, um anjo o qual ta seguindo nessa estrada contigo, o qual não tem vida própria, mas vive pra você. Ou à algum tempo vivia. A fada se apaixonou por você, você se apaixonou pela fada, mas não consegue deixar essa sua maldita busca de lado pra viver esse amor. As coisas pioram quando a fada vê que o herói e a princesa estão juntos e felizes e vivem fugindo de você lhe deixando pistas de um amor falso. Você junta essas pistas como se fossem migalhas, o herói e a princesa continuam a te iludir, mas quem afinal é a fada pra lhe contar isso? Você não acreditaria, mas ela assim mesmo tentou, e as coisas só pioraram quando ela se viu negada e ainda te amando ao seu lado. Droga... Eu não queria ser essa maldita fada. Mas foi o que me sobrou.


- Bonito, mas isso distorce a realidade.


3


- Oi seu idiota, você é muito burro mesmo. 


- Eu sei. Mas o que vou fazer? Não diga, porque não farei.


4


- Você me faz sofrer muito e ainda diz que me ama.


- Me desculpa por tudo, eu sou um idiota, eu te prometo que vou mudar, vou ser o melhor cara do mundo, eu te prometo, você vai ver.


... 
E o que eu ía ver mesmo? Aé, já até fiquei cega esperando ver.






E a vida segue, eu aqui lamentando, contestando, lutando, desabafando e por aí seguem uma quantidade de "andos"...  Mas quer saber, não posso conjugar os verbos esperando que o sujeito responda aos meus anseios. Não posso cobrar de alguém as coisas que fiz de livre espontânea vontade, não posso, mas faço. Porque eu não obedeço ninguém, nem a minha consciência, nem os meus limites, eu só obedeço as minhas vontades, e talvez isso seja muito ruim pra mim, mas aí é problema meu, eu tenho essa droga de vida pra fazer o que quiser, e me fuder até um dia crescer e mudar.

6 comentários:

  1. Já li e assisti O Caçador de Pipas e é um livro muito bom.

    É sempre bom desabar, aliás, desabafar. É necessário.

    http://amorporclassico.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Livro esse que nos leva a uma filosofia de vida, onde vê-se exatamente a diferença entre o valor material do espiritual. Do SER e do TER. Apenas vivendo, fazendo nossas experiências no grande laboratório da vida, é que encontrar-nos-emos.
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Aaah
    eu estou me sentindo desse jeito... CONFUSAA!!

    Eu também vou estar sempre aqui te enchendo com meus comentários, então se acostume. Curiosidade→ Você tem 16 anos ou eu entendi errado?

    ResponderExcluir
  4. Vick!!!O seu blog é maravilhoso...adorei mesmo e é claro que estou seguindo!!! Eu vi a divulgação que você fez no Orkut e aguardo sua retribuição no meu também. Afinal, um ajuda o outro... Pensamentos de minha autoria e de outros autores http://jairfreire.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. agradecendo e retribuindo a visita ^^
    amei o blog...

    impossível não seguir... ♥

    bjos

    http://quemerouboudemim.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Comecei a ler esse livro numa viagem, mas não consegui acabar pq tive de devolver... Preciso voltar a lê-lo, é ótimo...

    Ah, sobre a outra parte do post, acho que o importante é viver da maneira que a gente se sente feliz...

    ResponderExcluir